sexta-feira, junho 20, 2008

museu nacional ferroviário


Foi hoje inaugurada na Estação do Entroncamento a Rotunda das Locomotivas, versão actual da antiga Cocheira de Locomotivas implodida em 1976, a cargas de dinamite, pela CP, com a ajuda da Engenharia Militar.
Apresenta no seu interior uma placa giratória de 14 vias que conectam agora, não com as vias da estação, mas com a primeira parte do novo Museu Nacional Ferroviário.
O espaço arquitectónico pareceu-me bem e cumpre bem a missão para que foi criado.
Como se diz na brochura editada, foi criado um espaço «em que os comboios que foram passando, encontram as pessoas que hoje passam».
O projecto, a desenvolver ao longo de 7 anos, é muito ambicioso e aponta para - exposições permanentes e temporárias, centro de documentação, catálogos em linha, bolsa de apoio à investigação, serviço educativo, projectos nas áreas da cultura, ciência e tecnologia, parcerias com a Universidade e empresas privadas (na inovação e experimentação tecnológica), museu virtual, livraria, loja, restauração e aluguer de espaços. Dispõe de uma área de 46.500 m2.
A amostra que hoje se inaugurou tem qualidade. Espera-se que as fases seguintes não venham a abastardar-se e mereçam a confiança que hoje deposito neste projecto.

quinta-feira, junho 19, 2008

in memoriam de dino risi

Deixou-nos aos 91 anos. Era médico - o que poucos saberiam. Era cineasta notável - o que muitos sabiam. Fez muitos filmes de qualidade, mas apenas ganhou o Leão de Ouro (pelo conjunto da sua obra) no Festival de Veneza de 2002.
Com ele trabalharam os melhores artistas italianos do seu tempo, de que destaco Vittorio Gassman e Alberto Sordi.
Penso que todos os que viram os seus filmes, não deixarão de chorar a sua morte.

quarta-feira, junho 18, 2008

profecia ou análise?

Pode reconhecer-se autoridade ao autor do vídeo, pode até ficar-se tocado pelo que diz, mas não me parece que seja mais do que uma visão deformada e exagerada da comparação pretendida. De qualquer modo, publico o vídeo para que todos o conheçam, reflictam e opinem.

Vladimir Bukovsky, passou 12 anos em gulags soviéticos (
"Eu venho do vosso futuro") e estabelece neste vídeo um paralelo entre a UE e a União Soviética: a união forçada de povos, a destruição das culturas nacionais e dos direitos individuais. Diz que a UE está a ser construída sobre o terror económico.

sábado, junho 14, 2008

melodia sentimental, outra vez

Ouçam a mesma Melodia Sentimental de Villa Lobos e Dora Vasconcellos, cantada agora por Djavan e tal como aparece no filme «Deus é Brasileiro», de Carlos Diegues.

acorda

Maria Bethânia no seu melhor.

sexta-feira, junho 13, 2008

porquê? porquê?

Onde as palavras não são precisas.

video

quarta-feira, junho 04, 2008

bodas de ouro do curso médico 1952/1958


É verdade. Já passaram 50 anos sobre o fim do Curso. Imaginem só aquilo a que assisti nestes longos 50 anos. O que vi de misérias, de dor, de sofrimento, o que trabalhei, as alegrias que tive, os períodos de stress profissional, a carreira, os concursos, as vitórias, as derrotas, as decisões, a entrega, a dádiva, a recompensa da palavra ou do olhar agradecido, os anos de guerra, a satisfação do dever cumprido, a certeza de ter decidido bem quando escolhi a Cirurgia como especialidade.
Éramos muito e ainda somos quase todos. Amigos. Todos nos orgulhamos de ter pertencido a este curso especial que foi o nosso. Todos nós, com maior ou menor visibilidade, com maior ou menor eficácia deixámos marcas positivas e justificativas da nossa opção pela Medicina.
Nenhum de nós alguma vez se arrependeu de ser médico. Muitos de nós continuam a exercer de forma bastante activa a sua profissão, outros um pouco menos, raros quase nada.
As saudades que temos, as histórias que coleccionámos de salutar relacionamento médico-doente, iluminam nossos rostos e nossa alma.
Estamos de parabéns. E, mais uma vez, cantámos com alegria e saudade a nossa balada «Coimbra tem mais encanto», a balada do nosso curso, cantada pela primeira vez, por todo o Curso, na nossa Récita no Teatro Avenida de Coimbra.



terça-feira, junho 03, 2008

estou farto das pessoas morninhas de portugal


A leitura de um artigo de Pedro Vieira. na Visão do passado dia 22 de Maio, sobre Mircea Eliade, criou-me a necessidade de vos dar conta da sensação que me deixou a leitura da transcrição de algumas opiniões daquele escritor romeno, sobre Portugal.
Não é de hoje que se publicam opiniões pouco simpáticas sobre algumas características dos portugueses, desde a falta de limpeza pessoal e das cidades, a falta de organização, a tristeza e por aí adiante.
Recordo-me que no século XIX, um dos oficiais médicos que acompanhou as tropas inglesas que nos vieram ajudar a combater os franceses, escreveu um demolidor livro sobre os portugueses que intitulou «Observations on the present state of the portuguese army ... with account of the different military establishement and laws of Portugal ...», que levou à dispensa dos seus serviços pela parte de Portugal e à publicação de um outro livro intitulado «Reflexoens sobre observações do Dr. Andrew Halliday a respeito do Estado Presente do Exército de Portugal», pelo ilustre cirurgião António d'Almeida que saiu à liça em defesa da honra de Portugal (a que se devia juntar algum ódio aos ingleses, já que era tido como "afrancesado").
Mas o que hoje me trouxe a esta reflexão não foi a frequência com que outros nos atacam, mas a forma como Mircea Eliade o fez. Este escritor romeno nascido em 1907 e falecido em 1986, viveu em Portugal 4 anos, vindo expulso de Inglaterra, por ter pertencido e militado num movimento fascista, a Guarda de Ferro. Em Portugal esteve ligado à Embaixada da Roménia, como Adido de Imprensa e depois como Adido Cultural. Interessou-se muito pela cultura portuguesa e escreveu "Diário Português" e "Salazar e a Revolução em Portugal", não chegando a escrever um livro sobre Camões que pretendia publicar. É provavelmente o mais importante e influente especialista em história e filosofia das religiões. Leccionou na Sorbonne e em Chicago.

Pois este filósofo e historiador que tanto amava a cultura portuguesa, emitiu sobre nós estas pérolas que me deixaram a pensar e me obrigaram a trazê-las até vós -
«Quando a febre não é alta, leio literatura portuguesa. Sobretudo Eça e Camões».
«Passei 15 dias em Paris, donde regressei com 200 livros e o coração doente. Estar em Portugal, quando há Paris!».
«Estou farto das pessoas morninhas de Portugal».
«Mas, não sei porquê, Portugal parece-me cada vez mais triste. Prestes a morrer. É um passado sem glória».

Estes quatro desabafos de alma atingem-nos fortemente, não tanto por serem negativos, mas sobretudo porque parece que ele nos passou ao R.X. e viu a chapa com mais nitidez que uma ressonância magnética da alma portuguesa.

É certo que ele tinha-se em grande conta, embora pintasse juntamente com a sua glorificação alguns laivos de aparente modéstia, como quando escreveu - «Sou um Goethe que ainda nem sequer escreveu "Werther", embora já tenha pensado "Fausto II».

Estas citações foram escritas entre 1941 e 1945. É certo que os tempos eram outros e se vivia em regime de medo e de silêncio, de racionamento e polícia política. Mas quem escreveu estas frases, gostava de Salazar. São passadas seis décadas, o Portugal de hoje é outro. Muito, muito diferente. Mas, continuamos morninhos de mais ...