quinta-feira, julho 30, 2009

de como o que se diz se transforma naquilo que nunca se pensou, nem disse

Hoje em dia dar uma entrevista para um jornal, revista ou televisão, é acto de grande risco. Nunca se sabe no que vai dar. O melhor que pode suceder é que a entrevista não chegue a ser publicada, porque se o for e mesmo que se tenha exigido ou manifestado o desejo de ler antecipadamente aquilo que vai aparecer estampado em letra de imprensa,corre-se um risco sério de que aquilo que se vai ler, não corresponda minimamente àquilo que se disse e muito menos à forma como se disse.
Porque Luís Fernando Veríssimo escreveu numa das suas últimas crónicas no Actual uma magnífica sátira sobre este novo risco, achei importante trazê-la ao conhecimento de quem não lê aquele suplemento do Expresso.
Leiam, divirtam-se e sintam-se felizes por não correrem tais riscos.

a gaveta dos manguitos


A qualidade da vida faz-se de coisas essenciais e de pequenos truques e estratagemas que, de uma forma simples e por vezes inocente, nos permitem libertar do peso dos dias, do magma negro da vida citadina.

Isto faz-me lembrar a sabedoria popular, os gestos e atitudes simples, de gente também simples que aposta na simplicidade o pleno do seu dia a dia. Mas também as atitudes mais elaboradas, de gente mais esclarecida, que aproveita a inteligência e o humor como escudo protector contra os misseis homem-homem que o fluir dos dias contra eles insistentemente disparam.

E, de uma forma natural, vem-me ao pensamento a gaveta dos manguitos de Vasco Santana. Homem de humor e do humor, por excelência, beneficiando ainda da carga divertida de seu peso, de seus cento e cem quilos bem medidos, soube aprender por si, que só se pode ser e viver feliz, quando se está livre do efeito desgastante das conversas que se não desejam, das companhias que se não pretendem ou reclamam, das palavras que não afinam pelo diapasão da nossa maneira de ser.

Por isso, ele percebeu que tinha que inventar a sua gaveta dos manguitos. E que gaveta era essa? Apenas uma gaveta vazia da sua secretária atafulhada, mas organizada, no seu camarim de teatro. Era a superior esquerda. Para que servia e qual era o seu truque, o seu estratagema? Quando chegava ao camarim, abria a gaveta, fazia vários manguitos e deixava-os entrar para dentro da gaveta vazia. Depois, fechava-a.

Quando, após o espectáculo, começavam a chegar as pessoas incómodas que o vinham martelar com perguntas e questões idiotas, a que ele não podia escapar, ele fazia um sorriso de beatitude, abria ligeiramente a gaveta e, enquanto conversava afavelmente, olhava para a gaveta e libertava-se a ver saírem disciplinadamente os manguitos que lá metera.

Com este pequeno truque, Vasco Santana conseguia sobreviver às conversas desinteressantes a que era forçado e sentia-se liberto do stress, podendo manter um sorriso que doutro modo, mesmo sendo actor, lhe seria impossível.

Quantos de nós terão a sua gaveta dos manguitos e a usarão para a sua sobrevivência emocional e física? Quantos de nós terão a capacidade de intuir a sua necessidade?

Já um dia escrevi sobre as gavetas da nossa vida, as gavetas da nossa alma. Compartimentar conhecimentos e emoções, vivências e mortes, alegrias e tristezas, parece ser uma posição radical de estreiteza mental, de empobrecimento determinado, de um viver baço e frio. Parece ser. Disse bem. Mas, não é. Porque ter gavetas, não significa que estejam fechadas, com segurança e código. Ter gavetas, é apenas ter gavetas.

Depois, se dirá ou discutirá como elas devem ser. Invioláveis? Estanques? Incomunicáveis? Ou, pelo contrário, abertas, semiabertas, entreabertas ou escancaradas? Com capacidade definida ou expansíveis e de capacidade inesgotável? A gaveta das emoções, a gaveta das recordações, a gaveta da ciência, a gaveta do amor ou dos amores, a gaveta dos nossos manguitos, a gaveta da estratégia, a gaveta da nossa defesa ou das nossas defesas, a gaveta da amizade, a gaveta do ódio ou da sua ausência, um sem fim de gavetas, que fazem da nossa mente um verdadeiro contador, a que só o próprio tem acesso.

Onde vou meter o pôr do sol que acabo de ver? Que foi e já não é? Em que gaveta? Naquela em que já vários sóis se estão a pôr ou numa outra em que fica apenas este que agora vi e que tenho que guardar para que não se perca, porque o vi agora enquanto escrevia o que estou a escrever, enquanto abri e fechei gavetas à velocidade dos meus pensamentos e de seu registo em memória e suas ligações?

Contudo, pensar em tal não me equipa com o poder de criar a minha gaveta dos manguitos. Uma coisa é saber da sua necessidade e de a saber minha e outra bem diferente é a capacidade de a construir, como quem abre uma nova file no computador. Não se trata só de criar a gaveta, mas de saber o que lá meter e de qual será o seu efeito.

O que é que mais alivia o meu espírito? Seja o que for, será isso o manguito da minha gaveta. E para mim será sempre a gaveta dos manguitos, porque foi esta que deu a partida para as outras.

É complicada a vida.

É complicado viver.

Simplicidade. Precisa-se.

terça-feira, julho 14, 2009

quando a tempestade é arte e divertimento

As palavras estão dispensadas, por hoje. Para ver, ouvir e pensar. Em quê? Cada um saberá em quê.

domingo, julho 12, 2009

children see, children do

De pequenino se torce o pepino. Diz o provérbio antigo. Se já o esqueceu, fixe este - children see, children do. A outra face da moeda, a mesma finalidade.

sábado, julho 11, 2009

já é fim de semana .... finalmente ....


Estive fora esta semana. Tive vários contactos, em vários ambientes. Vi coisas novas e revi outras. Pensei na nossa situação de portugueses e nos nossos problemas. De regresso a casa e já fim de semana, pensei que devia publicar estas duas imagens que encerram em si um verdadeiro tratado de sabedoria. Saibamos todos dar um passo para que a nossa bandeira possa estar associada à sabedoria da primeira.

segunda-feira, julho 06, 2009

todos os cachorros são azuis

Morreu há dias, subitamente, com um enfarto do miocárdio, Rodrigo de Souza Leão, natural e residente no Rio de Janeiro. Tinha 44 anos e uma extensa obra literária, em prosa e poesia. O seu último livre, intitulado «Todos os cachorros são azuis» está em análise, entre 49 obras, pelo júri de um concurso literário português. Dizem os seus amigos, meus amigos brasileiros , que era um excelente amigo e uma personalidade ímpar. Grande escritor. Esquizofrénico.
Escreveu até morrer. Aqui deixo alguns poemas que retirei do seu blog Lowcura-

Cor azul

A mente esquizofrênica não funciona bem e boicota, sem os remédios, o tempo todo. Com remédios ficamos bem. Leves e tranqüilos para o mundo, que é muito bom. Fora as pessoas que não valem à pena, estas manter distância torna-se necessário. Positive Vibrations.

Thursday, June 25, 2009

TUDO É PEQUENO

Tudo é pequeno
A fama
A lama
O lince hipnotizando a iguana

O que é grande
É a arte
Há vida em marte

Sem título

Entendi o funcionamento do cérebro humano.
Um duplo sem fim
Algo diz sim e algo diz não
E vence sempre o sim
Se a mente for um cetim


MELHORA

Tudo é uma criação da mente
Um poema ou um poente

Tudo tem um forte sentido
Quando não se oprime o indivíduo

Alguém soletra uma distância
A distância separa os fatos
A verdade não é tão necessária


LOUCO

Já fui gordo. Já fui magro.
Já fui ego. Já fui id.

Já fui o que quis e o que não quis.

Já fui muito. Já fui pouco.

Hoje tenho a sensação
que não passei de um louco.

Saturday, June 20, 2009


A gente aprende a ser bom
O mau nasce (Junho, 21)


VIDA

A mim foi negado tudo.
Até o absurdo.

Monday, June 22, 2009

domingo, julho 05, 2009

o boxe sempre foi leal ...


Há já algum tempo que é modalidade olímpica...

sexta-feira, julho 03, 2009

ouviram?

Posted by Picasa

Ouviram? Já vos disse que nós não vamos ser uma geração rasca! Ainda agora começámos e já temos quem fale assim como esta minha amiga americana que, ao contrário dos seus compatriotas ignorantes de hoje, sabe que se farta e sabe que há mais mundo para além da sua terra. Não precisamos de ser como ela - nem sei se será um bom exemplo - mas teremos que ser melhores que este entrevistador Jay Leno, considerado dos melhores e que termina a entrevista com a sentença mais parva que até hoje ouvi. E por falar em ouvir, sempre repito - ouviram?

video

quinta-feira, julho 02, 2009

para memória futura

A memória vai-se construindo dia a dia, ao longo da vida, até que em determinada altura dela se começa a perder ou a ser mais difícil chamá-la a nós. É normalmente a memória dos factos antigos aquela que mais persiste, tornando-se muitas vezes repetitiva e a memória recente aquela que nos traz mais problemas e complica a vida dos idosos. Em termos simples há quem explique isto como se a memória fosse uma sucessão de gotas que vão enchendo uma taça. Por isso, quando as novas gotas pingam na taça, acabam por sair fora e perderem-se. Seriam sempre as últimas a perderem-se e as do fundo da taça a manterem-se. Explicação rudimentar, mas ilustrativa. Tudo isto a propósito deste magnífico vídeo de origem grega, que nos fala de emoções, comportamentos, amor, paciência e também de memória.

videou