sábado, outubro 24, 2009

convosco o poeta mário quintana

Um dos maiores poetas brasileiros e um dos mais mal tratados pelas instâncias da cultura. Mas um dos mais amados pelos leitores e pelo povo em geral, como poeta e como homem. Duas vezes ultrapassado por outros na Academia Brasileira de Letras, escreveu um dos seus pequenos poemas satíricos que analisando a situação terminava assim - «eles passarão // eu passarinho». Foi assim que atravessou a vida. Solitário e passarinhando. Ainda pôde ver antes de morrer a homenagem que a cidade de Porto Alegre lhe fez, transformando o velho Hotel Majestic em que viveu longos anos, na Casa da Cultura Mário Quintana. A justiça acaba por se fazer, mesmo que tarde.
O vídeo que aqui quis deixar é muito longo e pesado e o sistema não conseguiu carregá-lo durante uma noite inteira. Mais uma vez alguma coisa impediu o reconhecimento do verdadeiro Mário Quintana. Aqui deixo um pequeno vídeo que apenas dá uma pálida ideia da sua poesia e da sua grandeza.

quinta-feira, outubro 22, 2009

siga o exemplo

Penso que uma das melhores frases publicitárias que alguma vez li, dizia assim - «compre terra, já não se fabrica mais». Hoje foi a ocasião em que vi um dos mais eficazes e bonitos vídeos em defesa desse bem escasso que é a água. Não hesitei em colocá-lo aqui para todos vós. E poupem água, por favor. Pensem nos que ainda não nasceram.

video

domingo, outubro 18, 2009

com tudo se faz música quando está dentro de nós

Recebi hoje este magnífico vídeo que quero partilhar. Gravado em 10 de Junho 2007 no Auditório Nacional de Música, em Madrid, durante o Concerto Vozes para a Paz. Dirigiu a orquestra Enrique García Asensio. Ouçam «La boda de Luís Alonso». de J. Gimenez e prestem especial atenção a essa grande artista das castanholas, chamada Lucero Tena. Atentem na qualidade, musicalidade, postura, na paixão, na idade.

sábado, outubro 17, 2009

a conquista dos paraísos

Evangelos Odyssey Papathanassiou, mais conhecido como Vangelis, musicou prodigiosamente o significado profundo que representou para a Humanidade a descoberta de outros mundos, pelos navegadores de Portugal, Espanha, Inglaterra, França e Holanda que juntos tomaram conta do mundo então desconhecido - África, Ásia e América.

Em 12 de Outubro de 1492, Cristóvão Colombo chegou a uma pequena ilha do Caribe pensando que tinha chegado à Índia. Era a América. Em 20 de Maio de 1498, seria Vasco da Gama a chegar a Calecute, por uma rota muito diferente - pelo Atlântico e o Índico.

VANGELIS no seu álbum "A conquista do Paraiso" 1492, faz referência a esta descoberta casual da América. Tendo em conta a data de hoje e a qualidade da música, aqui vos deixo este magnífico vídeo, no meu regresso a Portugal.


segunda-feira, outubro 05, 2009

eu pergunto o mesmo


Mais uma vez interrompo os posts de minha autoria, para colocar aqui um texto de Miguel Sousa Tavares, publicado no Expresso de ontem, que merece ser lido por todos que não o puderam ler. Aqui vai -

Pus-me a pensar o que poderia Cavaco Silva dizer na sua "comunicação à imprensa" (em que à imprensa não eram admitidas perguntas) que pudesse justificar a surpresa de ter visto um Presidente envolver-se numa campanha eleitoral e contra o partido do Governo. Não apenas pelo caso das escutas, mas também pelo seu comentário, cirúrgico e cínico, à suspensão do Jornal de Sexta, da TVI.
Pus-me a pensar e não vi grande saída presidencial, na matéria das escutas. Porque os factos, já provados ou não desmentidos, falavam por si: primeiro, há um ano e meio atrás, e depois, a um mês e meio das eleições, o assessor de confiança de Cavaco, dizendo falar em seu nome, foi transmitir ao jornal "Público" que a Presidência suspeitava estar a ser escutada e espiada pelo Governo. Isto, na exacta altura em que a campanha do PSD só tinha um tema: a "asfixia" das liberdades e da sociedade pelo Governo controleiro do PS. Que nem sopa no mel! E mudo e quedo, sem desmentir as suspeitas assim lançadas pública e escandalosamente, ficou o Presidente, lá, na sua casa do Algarve, entretido a ver diplomas. E assim ficaria, não tivesse o "Diário de Notícias" desvendado os contornos da trama e obrigado Cavaco ao gesto dúbio de "fazer alterações na sua Casa Civil". Foi então que o PSD se pôs a gritar em surdina que o PR estava a lançar sinais equívocos que poderiam, afinal, beneficiar o PS em vez de prejudicá-lo, e que o melhor era dizer logo tudo, antes mesmo que o povo fosse às umas. Mas, justamente, aí é que estava o problema, como bem se percebeu pela sua comunicação ao país: o que tinha ele para dizer? Nada.
Assim, e excluindo desde logo a hipótese de ver o Presidente pedir desculpas pelo sarilho que engendrara ou consentira planeadamente, só vi uma maneira de ele se pôr a salvo: sacrificar em praça pública o amigo Fernando Lima (e é isso que se espera dos amigos dos príncipes, nas horas de aperto). Mas não: talvez tolhido pelo pudor e enraivecido pelo descalabro da sua conduta, vimos um Presidente fora de si, com cara de ódio e pose de majestade ofendida, a quem tinham ousado incomodar ("na minha casa no Algarve, quando dedicava boa parte do meu tempo a ver diplomas ... exigindo que interrompesse as férias .. .). E, de suspeito, Sua Excelência passou a acusador, com uma leviandade que, vinda de um Presidente da República, arrepia. Sim ele é que desconfia que "altos dirigentes do partido do Governo" se interroguem sobre o facto (aliás público e não desmentido) de membros do seu stafe participarem na elaboração do programa eleitoral do PSD; ele é que desconfia do timing da notícia do "Diário de Notícias", e não da do "Público", saída um mês antes e que deu início a toda a história; ele é que não percebe que alguém possa pôr em causa o legítimo direito de um seu assessor acusar o Governo de espiar o Presidente, sem ter de o provar; ele é que julga que o quiseram empurrar para a campanha eleitoral, e não que se empurrou a si mesmo; ele é que desconfia da veracidade do mail trocado entre dois jornalistas do "Público", apenas com a autoridade que lhe dá o facto de ser quem é; e, enfim, num despropósito final e patético, ele é que se lembrou, no próprio dia em que se ia explicar ao país, de subitamente desconfiar da vulnerabilidade do seu computador pessoal, para assim justificar as "questões de segurança" sobre as quais tinham anunciado que iria falar. Enfim, para tudo resumir, não fossem "os superiores interesses nacionais", que, por vezes, obrigam um Presidente da República a "ser capaz de resistir a graves manipulações", que ultrapassam "os limites do tolerável e da decência", e Sua Ofendida Excelência diria aos portugueses, olhos nos olhos, o que verdadeiramente lhe vai na alma: que eles acabaram de reconduzir um governo de bandidos, que lhe interrompem as férias, espiam as comunicações, controlam a liberdade de opinião dos seus assessores e que ele, a bem da nação, terá de suportar enquanto não vir saída. Como comentava um amigo meu, todavia longe do universo PS, "será que ele nos toma a todos por mentecaptos?".
Quando Cavaco Silva foi eleito; eu escrevi aqui que nunca tinha sido devoto do culto. Nunca lhe reconheci crédito de estadista nem mérito como governante. Nunca lhe conheci um pensamento político que não fosse estratégico apenas para si próprio nem agenda política que não fosse a do seu interesse pessoal. Nunca o vi gostar de correr riscos nem ter coragem nos momentos difíceis - quer em relação ao país quer em relação ao próprio PSD, que, em grande parte, ainda vive na ilusão de que Cavaco pertence à sua família política, como se ele tivesse alguma família política que não a sua própria. Mas escrevi também que, uma vez eleito, ele passava a ser o Presidente de todos os portugueses e também o meu.
Isso acabou terça-feira passada. O homem que se dirigiu ao país como Presidente de todos os portugueses já não o é mais. Colocou-se a si mesmo como Presidente de uma facção – dos devotos que lhe restam ou da maioria silenciosa e ignorante que não segue ou não entende a gravidade do que se passou. Por decisão própria, o Presidente da República tornou-se neste momento o principal factor de instabilidade, o principal obstáculo ao regular funcionamento das instituições democráticas que jurou defender. Nada mais será como dantes. E não apenas entre o Presidente e o futuro governo: entre o Presidente e o país.

sexta-feira, outubro 02, 2009

o vinho e o mosto - um exercício de intertextualidade 24


85.

Reparando, às vezes, no trabalho literário abundante ou, pelo menos, feito de coisas extensas e completas de tantas criaturas que ou conheço ou de quem sei, sinto em mim uma inveja incerta, uma admiração desprezante, um misto incoerente de sentimentos mistos.
Fazer qualquer coisa completa, inteira, seja boa ou má – e, se nunca é inteiramente boa, muitas vezes não é inteiramente má -, sim, fazer uma coisa completa causa-me, talvez, mais inveja do que outro qualquer sentimento. É como um filho: é imperfeita como todo o ente humano, mas é nossa como os filhos são.
E eu, cujo espírito de crítica própria me não permite senão que veja os defeitos, as falhas, eu, que não ouso escrever mais que trechos, bocados, excertos do inexistente, eu mesmo, no pouco que escrevo, sou imperfeito também. Mais valera, pois, ou a obra completa, ainda que má, que em todo o caso é obra; ou a ausência de palavras, o silêncio inteiro da alma que se reconhece incapaz de agir.

Bernardo Soares, Livro do Desassossego



Sem ter pensado alguma vez nisso, dei comigo nos últimos anos a fazer obra completa ou a tentar fazê-la. Desviei-me do caminho que estava a percorrer, no que respeita à escrita, e atirei-me, é o termo justo, à obra, melhor dizendo – às obras completas. Imaginei-as, preparei-as, investigando e escrevi-as o que melhor que sabia ou pude. Estão feitas e publicadas. E, agora? Que penso eu delas? São o que queria? São completas? Posso orgulhar-me delas? Sei que não são inteiramente boas, mas também sei que, realmente, não são inteiramente más. Mas para que serve uma obra que não é inteiramente má? A quem, se nem a mim? O que poderia ter feito de bom com o tempo, o esforço que nelas investi? Teria conseguido outra coisa completa? Inteiramente boa? Não o problema não está no tamanho do que se faz, no tipo de coisa que se faz. O problema está na verdade, na autenticidade com que se faz, na autenticidade do que se faz. Não, também não seria pelo silêncio que eu iria ou poderia ir. Porque não tendo como tu, Bernardo, um sentido crítico que me deixe ver apenas os defeitos, as falhas, dou comigo a achar, vezes de mais, que o que escrevo, breve ou extenso, ligeiro ou profundo, não só não é inteiramente mau, como, por vezes me parece quase bom, com a lucidez suficiente para saber que bom, com a força dessas três letras, não o é. Raras vezes o é, mesmo quando a escrita é de outros. Costumo pensar que a leviandade com que às vezes escrevo é fruto da imperiosa necessidade de o fazer. Como então respeitar o silêncio inteiro da alma, para que apontas?

CVR
Justificar completamente