quarta-feira, abril 28, 2010

nunca é demais insistir

Já algumas vezes tenho publicado vídeos sobre prevenção rodoviária. Mas todos sabemos que a reacção mais normal da maioria das pessoas é ficar impressionada com o que vê, mas rapidamente esquecer o que viu. Talvez por isso a prevenção é cada vez mais agressiva, incorporando imagens chocantes numa tentativa de obter mais efeito residual. Porque a prevenção continua a ser muito precisa e acreditando no efeito das imagens subliminares, deixo hoje mais um vídeo chocante e espero que eficaz, na esperança de que algo do seu horror se mantenha subliminarmente e possa vir cumprir a sua missão preventiva.

terça-feira, abril 20, 2010

dignidade e determinação

Mesmo que este vídeo não atinja todos que o virem, tenho a certeza que tocará profundamente alguns de vocês. Reparem na assistência e verifiquem como isto é uma verdade. Cada vez precisamos mais de bons exemplos de coragem, dignidade, determinação. Vejam e deixem-se tocar pelo exemplo.

video

domingo, abril 18, 2010

va pensiero, uma vez mais

Nunca é demais ouvir-se a área "Va Pensiero Sull´ali Dorate" do Nabuco de Verdi, sobretudo em versões como esta da Metropolitan Opera House, dirigida por James Levine, em 2001.
São apenas cinco minutos, no fim dos quais, garantidamente, gostávamos de continuar.
Para mim foi um prazer.

ler, ler, cada vez mais

Gosto da publicidade quando ela é inteligente, criativa e visa bons produtos. Este é um dos casos.
Espero que gostem, como eu gostei.

sábado, abril 17, 2010

há sempre quem assobie melhor do que nós

É no mínimo surpreendente encontrar uma interpretação das Czardas de Monti pela Orquestra Sinfónica de Kiel, tendo como solista Geert Chatrou tocando um instrumento pouco usual em concertos, mas talvez o mais tocado no mundo, pois talvez se possa dizer que não existe nenhum homem que não o toque com frequência - o assobio.
Por mim, posso dizer que sou um praticante frequente e cheguei a ser quase perfeito, até que a idade me foi levando alguns dentes e a cavidade bucal tomou outras formas. Mesmo assim, de quando em quando, ouço-me a interpretar músicas preferidas e sinto-me feliz, mesmo quando uma fífia me lembra que o tempo está a passar depressa demais.

uma boa e útil lição

Mais uma das magníficas palestras TED talks. A escritora nigeriana Chimamanda Adichie («Half of a Yellow Sun», «Purple Hibiscus») ao longo dum discurso bem construído, mostra claramente o perigo da «história única» ou do juízo mal fundamentado. Merece bem a vossa atenção, mesmo demorando o tempo da palestra.

quarta-feira, abril 14, 2010

o vinho e o mosto - um exercício de intertextualidade 29


«Nuvens … Interrogo-me e desconheço-me. Nada tenho feito de útil nem farei de justificável. Tenho gasto parte da vida que não perdi em interpretar confusamente coisa nenhuma, fazendo versos em prosa às sensações intransmissíveis com que torno o universo incógnito. Estou farto de mim objectiva e subjectivamente. Estou farto de tudo e do tudo de tudo o resto. Nuvens …»
Bernardo Soares, Livro do Desassossego

Porquê não me revendo eu no que agora li, fico com a dúvida se fui eu quem o escreveu? Vejamos, por partes. «Interrogo-me e desconheço-me»? Não é verdade minha. Primeiro porque costumo repetir à exaustão (penso que para me convencer) que não sou homem de me interrogar. Segundo – porque sendo verdade que me desconheço, conheço-me bem de mais para me aceitar assim e por isso, só tenho que desconhecer-me para não atentar contra mim.
Sim, isso é verdade, tenho gasto toda a vida que não perdi e não só parte dela, a fazer tudo que é coisa nenhuma, como depois se vê.
Mas, sobretudo, estou farto de mim objectiva e subjectivamente. Objectivamente, desde sempre, subjectivamente há não muito tempo, mas de tal forma que o que parece pouco é quase tudo.
Estou farto de tudo e só agora começo a perceber que o que me fazia correr, não merecia nem valia um chavo. Talvez por isso, e só por isso, passei a vida a pensar que não era homem de me interrogar.
CVR

quinta-feira, abril 08, 2010

discurso sobre a paixão e o feminismo

É um vídeo longo pois comporta todo um discurso que Isabel Allende fez nos afamados TED Talks abarcando o tema das mulheres, do feminismo e da paixão. Merece que a ouçamos os 17 minutos que demora o discurso, mesmo que algumas vezes não estejamos de acordo ou preferíssemos que se tivesse expressado doutra forma. Mas não é por isso que deixa de ser um interessante e válido testemunho. Quem quiser ouvir em português pode seleccionar a nossa língua nos subtitles.

segunda-feira, abril 05, 2010

um desenho quase completo

Apreciem um artista russo a desenhar uma mulher reclinada, numa perspectiva única. Normalmente olha-se uma mulher e fica-se com uma ideia. Atenta-se nos olhos e o conhecimento dela aumenta. Sente-se a pele, o toque da mão e apreende-se um pouco mais. Observam-se as reacções e começa a ter cada vez mais forma. De passo em passo, chega-se mesmo a saber por quê e por quem bate o coração. Mas, continua a pouco se conhecer da sua alma. É muito difícil chegar lá e interpretá-la. Permanece qualquer coisa de enigmático que poucos poderão um dia traduzir, tal e qual o que neste momento me sucede com o nome do desenhador e o título que deu à sua obra e que aqui deixo para quem possa ir mais longe do que eu - Виртуальные открытки II - "Просмотр Открытки".
O desenho é magnífico, mas incompleto. Desenhou apenas quase tudo...



Lamento que o recuperador deste vídeo não tenha tido o cuidado de ver que lhe colocou um título e logo a seguir lhe inverteu o sentido. De qualquer modo, mesmo com erro, obrigado por tê-lo colocado no youtube.

sábado, abril 03, 2010

páscoas

Recebi este ovo da Páscoa do meu colega e amigo José Dias Egipto. Foi imperioso que o compartilhasse convosco. Aqui fica para vosso deleite e reflexão.



Páscoas


Que é feito da cidade branca,
esse tesouro,
prometido há mais de dois mil anos
pelos Homens de ouro
que esfarrapados bebiam o fel dos poderosos?


Quem voltará a transmutar esses metais ignóbeis,
esses homens esboços,
essa ignorância ancestral e gorda
que jaz ainda sobre os destroços
de todas as religiões?


Mortos na vida reinam ainda,
lobos matreiros,
sobre a cidade desvirtuada
e os seus saberes são passageiros
e o seu poder cheira a sangue imaculado.


Cegos permanecem, de tal sorte,
que não vêem
a cidade branca iluminada,
concreta e habitada
pelos que hão-de estar vivos na morte.


Quem lhes pode explicar
que o que interessa,
simplesmente,
não é o saber sempre mais que se gabe,
mas tão-somente
o Viver, apenas, o que se sabe!



José Dias Egipto