sábado, junho 29, 2013

universidade de coimbra - nova vitória


 
 
 
Como antigo estudante desta Universidade, estava longe dela me dar duas grandes alegrias, no curto espaço de dias - a que já aqui anunciei de ter sido considerada património da Humanidade e agora outra vitória que nos honra a todos - Ranking atribui pontuação máxima à UC em investigação, inovação, internacionalização, instalações e acessibilidades.
 

«A Universidade de Coimbra (UC) acaba de obter pontuação máxima – 5 estrelas – nas áreas de investigação, inovação, internacionalização, instalações e acessibilidades no QS Stars University Ratings, uma nova iniciativa da QS Intelligence Unit, responsável, entre outros, pelo QS World University Rankings. A UC passa, assim, a ser a primeira universidade portuguesa a integrar este ranking, tendo obtido uma classificação global de 4 estrelas, superando com brilho os cerca de 8 meses de uma rigorosa auditoria externa a que foi sujeita. Agradecendo a todos os que diariamente contribuem para estes resultados, convido a comunidade universitária a assistir à cerimónia de entrega do certificado, seguida de uma sessão de apresentação da metodologia e resultados da UC, com espaço para debate, que terá lugar no dia 2 de julho de 2013, com o seguinte programa: 14h30 | Cerimónia de entrega do Diploma (Sala do Senado da Universidade de Coimbra) 15h00 | Sessão de Apresentação, moderada pelo Vice-Reitor Amílcar Falcão (Auditório da Universidade de Coimbra) Os resultados agora divulgados vêm reforçar o bom desempenho da UC nos diferentes rankings universitários internacionais, que em 2012 foi considerada pela QS “a melhor instituição de ensino superior em Portugal”».
 
João Gabriel Silva (Magnífico Reitor da Universidade de Coimbra)

segunda-feira, junho 24, 2013

contra os barões lutar, lutar

Pelo caminho que isto leva, não será má ideia começar a escrever-se um novo hino. Talvez começando a cantar-se este, seja tal a revolta interior, a náusea profunda que sustenta o vómito, que este se transformará em força e tudo faremos para ter direito a continuar com o que temos e que é e será sempre - o nosso Hino.
Devíamos ter vergonha de ver o nosso irmão Brasil nas ruas e nós aqui, sentados nas nossas rotas poltronas. Vinte cêntimos chegaram para os levar para a rua. Eles sabem a razão porque os preços subiam. E nós nem depois do que nos sacam, reagimos; continuamos parados. Como chamar ao grito do Ipiranga, aqui?


domingo, junho 23, 2013

universidade de coimbra - património mundial

Parabéns Universidade de Coimbra


 
Segundo o I on line acaba de publicar, a UNESCO classificou como Património Mundial a Universidade de Coimbra. Transcrevo a notícia, tal como a li.
 
«O reitor considera que a decisão da UNESCO sublinha o valor universal da cultura e línguas portuguesas A Universidade de Coimbra (UC) foi classificada hoje pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) Património Mundial da Humanidade, disse à Lusa fonte da reitoria da universidade. Numa nota enviada à Lusa, o reitor da UC, João Gabriel Silva, afirma que "mais do que o reconhecimento do valor arquitetónico do complexo universitário de Coimbra, esta decisão da UNESCO sublinha o valor universal da cultura e da língua portuguesas e reconhece o papel central que Portugal teve na formação do Mundo, tal como hoje o conhecemos". A UC foi a única universidade portuguesa durante tantos séculos e a classificação como património mundial "reconhece a ação central que a Universidade de Coimbra tem vindo a desempenhar na história da humanidade", realça a nota. O comunicado realça ainda que, para comemorar a inscrição da Universidade de Coimbra – Alta e Sofia na lista do Património Mundial da Humanidade, o reitor convida à participação de todos na iniciativa “Coimbra em Festa”, a decorrer na Praça do Comércio, na Baixa de Coimbra, a partir das 16:00 de domingo».
 
Como antigo aluno desta Universidade e agora como ex-aluno a ela ligado pela rede UC, não posso de deixar aqui esta honrosa notícia. Parabéns Velha Universidade.

o governo e o borda d'água

Sem comentários. Rir para não chorar. Aliás o que faz o ministro da Economia, do colega das Finanças. Amor com amor se paga.


sexta-feira, junho 21, 2013

o vinho e o mosto - um exercício de intertextualidade 32


152.
Pasmo sempre quando acabo qualquer coisa. Pasmo e desolo-me. O meu instinto de perfeição deveria inibir-me de acabar; deveria inibir-me até de dar começo. Mas distraio-me e faço. O que consigo é um produto, em mim, não de uma aplicação de vontade, mas de uma cedência dela. Começo porque não tenho força para pensar; acabo porque não tenho alma para suspender. Este livro é a minha cobardia. (...). Por que escrevo, se não escrevo melhor? Mas que seria de mim se não escrevesse o que consigo escrever (…). Para mim, escrever é desprezar-me; mas não posso deixar de escrever. (…).
 
Fernando Pessoa, Livro do Desassossego


Também eu pasmo quando acabo alguma coisa, mas por razões muito diversas. Pasmo porque não tendo o instinto da perfeição, nem a persistência, nem a capacidade, nunca sei porque começo. Começo por começar. E até pasmo. Pasmo porque sem saber como, não paro logo de escrever e continuo, e continuo, palavra a palavra, ideia a ideia, se estas, porventura, entram nesta escrita. Não tenho força para pensar, não. Pensar é esforço e eu nunca me esforço e a preguiça sempre me comandou. Os livros que não escrevo é que são a minha cobardia. Os que escrevo são a minha incapacidade, a minha ligeireza, a minha preguiça paralisante que não me deixa corrigir, emendar, pensar outra vez. Mas eu penso alguma vez, por acaso? Escrevo por escrever, como tudo que faço. Sem sentido, sem fim, sem nada. Eu e o vazio que sempre me envolve e me preenche. Um vazio, cheio, cheio, cheio. Que posso fazer de mim?

CVR

quarta-feira, junho 19, 2013

não há pão, só há paz


Apresento-vos hoje  um showman e poeta angolano, Fridolim Kamolakamwe, que parece ser uma personalidade que tanto jorra simpatias como controvérsias, a acreditar num blog de debates e ideias que consultei. Há quem o considere o poeta angolano do século e outros há que só veem o revolucionário e o devem odiar. Recebi hoje este vídeo e penso que merece muita atenção. Poeta, declamador, agitador, líder, livre, acredito que preocupe muitos e agrade imenso aos que o entendem e apoiam. É bom viver em paz, quando ela não é podre. O poema deste vídeo foi escrito após a manifestação do 7 de Março.

segunda-feira, junho 17, 2013

a nau portugal navega há séculos



Transcrevo parte de um artigo escrito recentemente por Miguel de Sousa Tavares no Expresso, que é de grande oportunidade e merece a vossa atenção.


Pode um homem sozinho dar cabo de um país?

«Pode, se o deixarem à solta: é o que Vítor Gaspar está há quase dois anos a tentar fazer a Portugal. Ele dará cabo do país e não deixará pedra sobre pedra se não for urgentemente dispensado e mandado regressar à nave dos loucos de onde se evadiu. (...) Gaspar não sabe sair do desastre em que nos meteu e, como um timoneiro de uma nave em rota de perdição, ele já não vê nem passageiros nem carga, ou empregos e vidas a salvar: prefere que o navio se afunde com todos e ele ao leme. Sem sobreviventes nem testemunhas. (...) Sim, incompetência: porque o mais extraordinário de tudo é pensar que Vítor Gaspar impôs ao país uma política de austeridade suicida que o conduziu a uma das maiores recessões da sua história e sem fim à vista e, em troca, não conseguiu as duas [coisas] que ele e os demais profetas da sua laia de fanáticos juravam ir alcançar sobre as ruínas do país: nem fez a reforma do estado nem controlou o crescimento da dívida pública – pelo contrário, perdeu-lhe o controlo. (...) É assim que Vítor Gaspar governa o país, perante a aquiescência do primeiro-ministro e a cumplicidade do Presidente da República. Eles sustentam que tudo fará sentido e valerá a pena no dia em que Portugal regressar aos mercados. Não é um sonho, é um delírio: quanto mais o PIB cai mais sobe a dívida pública, calculada em percentagem do PIB. (...) Mesmo com um Governo italiano arrastando ainda e uma vez mais o fantoche de Berlusconi, mesmo com uma França chefiada pelo triste Hollande ou uma Espanha chefiada pelo incapaz Rajoy, mesmo com a Grécia de Samaras, a Europa do sul está finalmente a mover-se, por instinto de sobrevivência. Sem perder tempo, Lette foi direito à origem do mal: a Berlim e a Bruxelas. Ele não fará abalar Angela Merkel nas suas convicções e interesses próprios e não conseguirá também fazer com que Durão Barroso deixe de oscilar conforme o vento, até ficar tonto. Mas, se conseguir unir o sul e juntar-lhe outros povos acorrentados pelos credores e condenados à miséria, enquanto o norte prospera sobre a ruína alheia, de duas uma: ou a Europa se reconstrói como uma livre associação de Estados livres ou implode às mãos da Alemanha. Qualquer das soluções é melhor do que esta morte lenta a que nos condenaram. (...) É claro que nada disto dá que pensar a Vítor Gaspar, que vem de outro planeta e para lá caminha, nem a Passos Coelho, que estremece de horror só de pensar que alguém possa desafiar a autoridade da sua padroeira alemã. Nisso também tivemos azar: calhou-nos o pior país para viver esta crise. Mas este Governo vai rebentar, tem de rebentar. Porque a resposta à pergunta feita acima é não. Não, um homem sozinho não pode dar cabo de um país com quase nove séculos de história.»
(Miguel Sousa Tavares in Expresso)

domingo, junho 16, 2013

oh, minha mãe, minha mãe

Uma nova versão deste clássico do fado de Coimbra, gravado na Serenata Monumental da Queima das Fitas 2013. Desconheço o nome do cantor, mas aprecio a sua voz e a nova interpretação. É um dos fados de Coimbra que nunca deixou de me acompanhar. Espero que gostem.

sábado, junho 15, 2013

o poder da mente já move helicóptero robot


Um recente estudo publicado no "Journal of Neural Engineering'' pareceu-me merecer divulgação por vir demonstrar que há coisas até aqui impensáveis que se aproximam a passos largos duma realidade crescente. Sempre imaginamos que a mente tinha poderes insondáveis. Estudos de cientistas como o português António Damásio começara a mostrar a dimensão daquele mundo. Até onde se conseguirá ir na sua investigação? Aqui transcrevo parte desse artigo.
 
«Mover objetos com a mente já não é ficção A utilização da mente para deslocar objetos está cada vez mais próxima de sair dos filmes de ficção científica e tornar-se uma realidade. Uma equipa de cientistas da University of Minnesota, EUA, conseguiu movimentar um modelo de helicóptero, fazendo-o subir, descer, virar e fazê-lo passar por um aro, através do pensamento. A proeza que foi reportada na revista "Journal of Neural Engineering”, foi conseguida através de interface cérebro-computador (ICC), uma tecnologia que permite a comunicação direta entre o indivíduo e o computador. O desenvolvimento desta técnica, que tem sofrido grandes avanços nos últimos 10 anos, permite ao utilizador comunicar com o mundo exterior e manipular objetos através da modulação do pensamento. A tecnologia, que se encontra a ser desenvolvida por Bin He, do College of Science and Engineering da University of Minnesota, e equipa, poderá um dia vir a prestar suporte a pessoas com doenças neuro-degenerativas que tenham perdido a capacidade motora e da fala, que poderão ver recuperadas algumas funcionalidades através do controlo de dispositivos eletrónicos e mecânicos. Para além disso, esta tecnologia é não invasiva, ao contrário de outras, já que não requer qualquer implante no cérebro. As ondas cerebrais (eletroencefalografia, EEG) são captadas por elétrodos inseridos num capacete EEG, de 64 elétrodos, que é colocado no couro cabeludo. Os elétrodos enviam os sinais de atividade elétrica (ou ausência da mesma) para um computador, que por sua vez processa esses dados e os converte numa ordem eletrónica. O controlo do modelo de helicóptero (ou robot) através do pensamento foi possível através do estabelecimento de uma interface entre o computador e os controlos WiFi no helicóptero. Após processar os sinais EEG do cérebro, o computador envia uma ordem para o helicóptero por WiFi. Um dos investigadores neste estudo, Karl LeFleur é de opinião que “o potencial da ICC é muito abrangente. Em seguida queremos aplicar a tecnologia do robot voador para ajudar pacientes com deficiência a interagirem com o mundo. Isto poderá mesmo ajudar pacientes com problemas como AVC ou doença de Alzheimer, Estamos agora a estudar pacientes que sofreram AVC para ver se conseguimos restabelecer circuitos cerebrais e reparar áreas danificadas”».

sexta-feira, junho 14, 2013

peça a peça se constrói o puzzle

É com estas pequenas realidades que se escreve a pulhice dos senhores da e das finanças. Read my lips, dizia o outro e aconselho eu agora - reparem na expressão, no jogo das mãos, nas palavras de ocasião. Não deixem de ver.


quinta-feira, junho 13, 2013

a criação do medo

Não é a primeira vez que recorro à sabedoria e à capacidade de comunicar do escritor Eduardo Galeano. Neste vídeo ele aborda um tema muito real - o medo - e as suas origens. Vale a pena ouvi-lo ou lê-lo. Aqui fica para todos.


quarta-feira, junho 12, 2013

para entender as 'rendas'

Para ajudar a entender os meandros dos negócios que nos levaram e levam onde estamos. Mais um testemunho importante para fazer esta história sórdida, engendrada por quem se marimba no povo e apenas está preocupado com os da sua laia e em decidir em que off shore vai fazer os depósitos. Que cambada... Acordemos e acabemos com esta palhaçada rica.

terça-feira, junho 11, 2013

temos papa

Ouçam o Papa. Dá gosto vê-lo e ouvi-lo. Está entre nós e é dos nossos. Habemus Papam.
 


sábado, junho 08, 2013

rezar ou actuar?



Custa muito olhar para este muro pintado e ler o que está escrito. Custa muito tê-lo visto pela primeira vez, reproduzido na primeira página da revista norte-americana «The Atlantic», fundada em 1857, com este título que aqui deixo
 
The Mystery of Why Portugal Is So Doomed

Did relying too heavily on mom-and-pop businesses hobble one of Europe's most imperiled countries? It's possible.


O artigo é extenso e bem documentado, com imensos gráficos, um dos quais da responsabilidade de um português, Ricardo Reis, professor na Universidade Columbia. Porque, eventualmente, nem todos os leitores dominem o inglês, deixo aqui  um resumo em português, publicado no Jornal de Notícias. Onde vamos parar? Mais do que rezar, temos de actuar.

«A revista norte-americana "The Atlantic" publica, na sua edição eletrónica, o artigo "O mistério de Portugal estar tão condenado", no qual argumenta que existe demasiada corrupção e regulação que leva a que as PME não queiram crescer.

O artigo, assinado por um dos diretores da revista cultural e lieterária, Matthew O'Brien, e que está na página inicial da publicação, começa com uma fotografia de um mural em Portugal onde se lê, em letras grandes, 'Pray for Portugal' ('Rezai por Portugal'), com uma criança a rezar 'Livrai-nos Senhor destes porcos corruptos que assolam Portugal', e diz que, ao passo que a Grécia teve uma bolha governamental e que a Espanha e a Irlanda tiveram bolhas imobiliárias, Portugal, sem bolhas, teve "uma das mais calmas catástrofes da memória económica".

Citando estudos que mostram que Portugal, entre 2000 e 2012, cresceu "per capita" menos do que os Estados Unidos durante a Grande Depressão dos anos 30 ou que o Japão durante a sua "década perdida", o artigo faz ligações para várias outras páginas de jornais como o Financial Times ou o Wall Street Journal para ir sustentando a sua opinião, por exemplo no que se refere à evolução de Portugal nos primeiros anos da democracia ou aos dados económicos que mostram a fraca performance da economia portuguesa na última década.

Relembrando erros de política económica e mostrando gráficos sobre a evolução de indicadores como o crescimento comparado de Portugal, Estados Unidos e Japão, o artigo argumenta que aquilo que separa Portugal de outros países em dificuldades é a cultura das pequenas empresas: "A maioria dos países do sul da Europa, Portugal incluído, sofre de demasiada corrupção e regulação".

As empresas, argumenta a revista fundada em 1857, "escolhem [em itálico] permanecer pequenas porque faz sentido lidar apenas com pessoas em quem se confia pessoalmente quando não se pode confiar no poder da autoridade livre de retaliações. As empresas podem [em itálico] ficar pequenas porque as leis tornam difícil crescer e atingir economias de escala. É um pesadelo de 'mom-and-pop' de fraca produtividade", diz a revista, numa referência a uma expressão que se refere a pequenas empresas de raiz familiar, sem grandes ambições empresariais e com forte implantação local.

No texto, defende-se que a situação piorou desde 2008 devido não só ao enorme peso das Pequenas e Médias Empresas (PME) na economia portuguesa, mas também porque elas estão a desaparecer, não apenas porque "a austeridade esmagou os seus clientes", mas igualmente porque enfrentam sérias dificuldades de acesso ao crédito.

Retomando a linha de pensamento norte-americana que defende que a Europa está a exagerar na austeridade como a receita para sair da crise, a revista diz que é claro que "Portugal tem de resolver os seus problemas estruturais" e argumenta que "deve ser mais fácil despedir quem trabalha mal, criar e expandir um negócio, e garantir o cumprimento dos contratos".

A Europa, sublinha, "deve parar de insistir no castigo [da austeridade] como o caminho para a prosperidade".

Se não o fizer, sentencia a Atlantic no parágrafo final do texto, "então a ideia de uma saída do euro deixará de ser apenas o tópico de um popular livro português", referindo-se ao último livro do economista João Ferreira do Amaral. Poderá ser a plataforma de um partido popular português, conclui».

quarta-feira, junho 05, 2013

ou eles ou nós

Ouça, leia ou ouça e leia, mas não deixe de atentar bem no que vai ouvir ou ler. A guerra está aí e em toda a força. Os 'sacanas sem lei' da Banca parece terem ganho esta batalha. É preciso ganharmos nós a guerra. Como diz Boaventura Sousa Santos na última Visão - cabe a nós, o povo, perder o medo, sair à rua, lutar e fazer com que a Banca volte a ter o medo que tinha há 60 anos. Ou eles ou nós.


segunda-feira, junho 03, 2013

tango, hoje e sempre

Sem dúvida que gosto de música com garra e marca, daquela que logo se identifica e garante sensibilidade, amor, fogo, prazer, ódio.. Fado, tango, fandango. Não estranhem pois que aqui deixe, mais uma vez, um magnífico vídeo em que Marsela Duran e Carlos Gavito dançam um tango dedicado ao poeta Evaristo Carriega. Carlos Eduardo Gavito mostra-nos que a arte não se desaprende e que, mesmo com 71 anos de idade, se pode dançar bem e transpirar sensualidade.
 

seja no que for, perfeição é sempre perfeição

Eu sei que este vídeo não é actual e mostra Boyanka Angelova em Junho de 2008, na sua actuação primorosa no XIV Campeonato da Europa, em Turim. Mas sei também que uma exibição destas não tem data. Só tem qualidade excepcional, possível apenas a poucos. Merece registo e ser vista.
 
video